​Marta, Alex Morgan e a melhor do mundo em 2019, Megan Rapinoe... Todas essas craques do ​futebol feminino atuam na NWSL, a Liga Profissional dos Estados Unidos, considerada uma das mais técnicas e competitivas da modalidade. A grande notícia é que esta competição pode chegar às telinhas de vários países do mundo muito em breve


De torcedor para torcedor: clique aqui e siga o 90min no Instagram!

​​De acordo com o site ​Máquina do Esporte, a Octagon, empresa global de marketing esportivo, foi escolhida para buscar/intermediar negociações de transmissão da NWSL. Com ajuda da agência, a liga norte-americana espera conseguir acordos longos e parcerias lucrativas, que alavanquem o alcance e rentabilidade da liga.

Megan Rapinoe

O projeto inicial da agência é costurar negociações nacionais, com uma emissora de TV aberta e outra paga adquirindo os direitos de transmissão. Mas a ambição é ir além, conseguindo levar a NWSL para fora das fronteiras dos Estados Unidos. O 'boom' da modalidade oriundo da Copa do Mundo, bem como a internacionalização da liga - cada vez mais recheada de jogadoras estrangeiras -, colaboram para um aumento do interesse exterior na competição.


"A ideia é montar uma parceria ou parcerias multiplataforma. Um modelo híbrido. Precisamos ter uma grande exposição como parte disso, tanto para a liga quanto para seus parceiros patrocinadores. Mas temos que ter um componente digital bastante pesado. É uma liga nascente e precisa de visibilidade. Também é uma liga jovem em termos de pessoas que a seguem, por isso também precisamos conversar com elas. Obter uma boa parte do conteúdo digital será essencial", afirmou Dan Cohen, representante da Octagon.

Sarah Killion,Marta Vieira da Silva