​São quatro gigantes, sem dúvida alguma. E que chegaram até a semifinal da ​Libertadores da América por mérito. Os números até aqui de ​Grêmio, ​Flamengo, River Plate e Boca Juniors mostram bem algumas características dessas equipes. E o percentual de posse bola, por exemplo, apenas confirmam as análises sobre o quarteto.


De torcedor para torcedor: clique aqui e siga o 90min no Instagram!



Everton Ribeiro


O River, de Marcelo Gallardo, é, de todos os times que brigam por vaga à decisão, aquele que tem mais a bola no pé. Até aqui, ficou com ela sob seu domínio em 61% do tempo. Ou seja, não é à toa que os argentinos conseguem, há muito tempo, construir uma trajetória irrepreensível na competição e lutam, até com ares de favoritos, pelo segundo troféu seguido do maior torneio do continente. 


FBL-LIBERTADORES-GREMIO-FLAMENGO


Neste "ranking", o Flamengo vem logo a seguir com 58%. Se em um primeiro momento, quando era comandado por Abel Braga, a equipe era mais reativa, recuperou terreno com Jorge Jesus e, sim, passou a gostar de propor ações e dominar o terreno. Em terceiro lugar, com 56%, aparece o Grêmio. Muito embora não tenha conseguido se impor em casa no duelo de ida contra o Rubro-Negro e tenha passado por alguns momentos de muitas dificuldades na primeira fase, os comandados de Renato Portaluppi tentam não abdicar de seu estilo de valorização da posse. E isso acontece não é de hoje. 


Nicolas De la Cruz


Entre os quatro, o Boca é aquele que, com 49%, mostra claramente que tem um padrão diferente. Ele não é tão técnico e, por isso, prefere atuar mais no erro do rival. Dos semifinalistas, é aquele que não faz questão de se sentir "dono do jogo", como ficou claro na última terça-feira no Monumental de Nuñez. Agora, como as estatísticas não são definitivas, tudo pode acontecer nos embates de 22 e 23 de outubro, que apontarão quem seguirá para Santiago do Chile para a grande final.