Pela primeira vez na história da competição, o ​Athletico Paranaense é o grande campeão da Copa do Brasil. Após vencer por 1 a 0 em seus domínios, o Furacão visitou o Beira-Rio na noite desta quarta-feira (18) precisando de apenas um empate, mas fez bem mais do que isso. Foi pra cima, ousou e venceu novamente: 2 a 1, gols de Léo Cittadini e Rony, com Nico López descontando para o Internacional. Com o título, o time rubro-negro garantiu sua classificação à ​Libertadores de 2020.


De torcedor para torcedor: clique aqui e siga o 90min no Instagram!

​​Primeiro tempo

Nico Lopez

Precisando vencer por pelo menos dois gols de diferença para ser campeão sem penalidades, o ​Colorado foi todo pressão desde o momento em que a bola rolou. Logo no primeiro minuto de jogo, Santos precisou fazer uma boa intervenção em finalização de Nico López, após boa trama da trinca ofensiva do time gaúcho. Com muito volume, a equipe da casa seguiu em cima, mas foi castigada em um contra-ataque bem tramado do Furacão, o único dos visitantes no primeiro tempo: aos 23', Rony disparou pela esquerda e acionou Marco Ruben dentro da área, o centroavante rolou para o meio e encontrou Cittadini livre, infiltrando sozinho. O meia só teve o trabalho de deslocar Lomba e abrir o marcador. Com 2 a 0 no agregado, o Furacão recuou e esperou o Inter, que aumentou ainda mais a pressão e igualou o mercador aos 30' com Nico López, em lance confuso e de enorme bate-rebate dentro da área. Nico e Patrick ainda tiveram boas chances nos minutos finais, mas pararam em defesas de Santos.


Segundo tempo

FBL-BRAZIL-INTER-PARANAENSE

Apesar de estar bem vivo na decisão, o Internacional não passou nem perto de repetir, no segundo tempo, a mesma atuação da etapa inicial. Aos 10',  o zagueiro Victor Cuesta teve boa oportunidade de virar o marcador após cruzamento, mas errou na cabeçada. Com uma postura bem madura, o Furacão neutralizou a principais potencialidades do time da casa, anulando Guerrero e conseguindo frear Nico López, o grande destaque gaúcho na partida. Sem sofrer ameaças reais além de finalizações de fora da área, o time paranaense começou a se sentir mais à vontade no jogo, buscando mais o contra-ataque e criando algumas chances agudas, ora com Cirino, ora com Rony. Em uma dessas estocadas, o veloz atacante rubro-negro aproveitou bela jogada individual do camisa 10 e 'fechou o caixão dos donos da casa: 2 a 1 e taça assegurada para a sala de troféus rubro-negra.