​Na noite do último sábado (20), o ​Palmeiras visitou o Ceará na Arena Castelão, com objetivo claro de escantear qualquer princípio de crise deflagrado pela eliminação na Copa do Brasil para o Internacional. Acontece que o enredo passou longe de se desenvolver como o esperado, e mesmo com seus titulares em campo, o clube paulista teve atuação irreconhecível e foi derrotado de forma maiúscula: 2 a 0, com direito a gritos de 'olé' da torcida do Vozão.


Já segue a gente no Instagram? Clique aqui e venha para a Casa dos Torcedores!

​​Como destaca o ​UOL Esportes, a derrota fora de casa marcou a queda da invencibilidade alviverde que já durava 33 jogos nesta competição, considerando as estatísticas ainda de 2018. Ainda que as explicações para o revés estejam difusas, alguns fatores preocupantes ficaram evidentes na Arena Castelão: o nervosismo/destempero do time paulista e a queda técnica de algumas referências do elenco.


O aspecto emocional, por sinal, foi apontado por Felipão como uma das explicações para o revés: "Que eu me lembre, não tínhamos tido duas derrotas seguidas. Vamos precisar analisar muita coisa. Alguns detalhes saíram do que imaginávamos. Estamos nervosos no momento de fazer o gol, proporcionamos contra-ataques que não são normais. Vamos tentar corrigir tudo para o jogo na Argentina", afirmou o treinador.

A queda de desempenho de alguns nomes importantes também é perceptível. Após ótimo começo de temporada, Gustavo Scarpa emplacou mais uma atuação muito abaixo da média e foi o primeiro a ser substituído por Felipão. Na referência do ataque, Deyverson mais uma vez passou em branco e mais atrapalhou o que ajudou, perdendo bolas dominadas e sendo facilmente anulado pela boa atuação da dupla Luiz Otávio e Valdo.


Vivendo seu momento de maior turbulência em 2019, a delegação alviverde já embarcou rumo à Argentina, onde enfrentará o Godoy Cruz pela ​Libertadores. A comissão técnica terá dois dias para decidir qual planejamento de elenco adotará, afinal, atuou com seus titulares nos últimos dois compromissos do calendário.

Gustavo Scarpa