​Na última quarta (10), a grande imprensa apurou e divulgou uma aparente aproximação entre Confederação Brasileira de Futebol e Pia Sundhage, treinadora sueca de 59 anos com ampla atuação e experiência no ​futebol feminino. Vadão e sua comissão técnica ainda não foram oficialmente desligados do comando da Seleção Brasileira Feminina mas, ao que tudo indica, estão fora dos planos da entidade após insucesso na Copa do Mundo de 2019​vencida pelos Estados Unidos no último domingo (8).


Já segue a gente no Instagram? Clique aqui e venha para a Casa dos Torcedores!

Pia Sundhage

​​Caso o contato inicial da CBF por Pia se consolide como proposta e efetivação, a Seleção Brasileira Feminina migrará de um extremo ao outro a nível de trabalho e filosofia em sua comissão técnica. Atual treinadora do Sub-17 da Suécia, a comandante possui um currículo invejável na modalidade: três medalhas olímpicas, sendo duas de ouro (Estados Unidos/2008 e 2012) e uma de prata (Suécia/2016), além de um prêmio como melhor treinadora do mundo, conquistado em 2012. 


Mais importante que um currículo longo e vitorioso é o fato de Pia Sundhage ter raízes fincadas no futebol feminino, não sendo uma treinadora 'aventureira' na modalidade, como é Vadão. Ex-jogadora de sucesso - defendeu sua seleção nacional por mais de duas décadas -, a sueca rodou o mundo atuando como treinadora/assistente técnica, passando por clubes europeus, norte-americanos e chineses até chegar ao futebol de seleções. Sua ampla bagagem é um intercâmbio valioso e extremamente necessário/urgente em solo tupiniquim, onde a modalidade se encontra consideravelmente atrasada em mentalidade, se comparada às grandes potências.

Luiz Felipe Scolari,Pia Sundhage

Caso a investida por Pia não gere frutos, seu perfil deve ser o norteador para novas buscas da Confederação Brasileira de Futebol: uma pessoa que esteja verdadeiramente antenada ao que é o futebol feminino e o trabalho com mulheres, disposta a promover as mudanças e reformulações necessárias para o resgate da modalidade do Brasil. Aliado a isso, é fundamental que a entidade dê autonomia, tempo e prestígio para o novo treinador/a nova treinadora, já que desconstruir o cenário atual, de total defasagem de ideias e conceitos, certamente dará muito trabalho.