​Real M​adrid pode passar por um processo de reconstrução ao final de temporada 2018/2019. Depois do abalo sofrido pela saída do português Cristiano Ronaldo, que se transferiu para a Juventus, da Itália, em julho do ano passado, o clube merengue corre o risco de perder outro grande ídolo, que já veste a camisa há quase 15 anos. A saída pode trazer problemas para o setor defensivo da equipe treinada pelo francês Zinedine Zidane.


​Segundo publicação do jornal AS, da Espanha, quem pode estar deixando o Real Madrid desta vez é Sérgio Ramos. O zagueiro, de 33 anos, estaria na mira dos ingleses Liverpool e Manchester United e da italiana Juventus. A preferência do jogador seria por disputar a Premier League, considerado o campeonato nacional de clubes mais difícil do mundo. Os ingleses, inclusive, já estão em contato com o estafe do espanhol para agilizar uma contratação visando à próxima janela de transferências no meio do ano.

FBL-ESP-LIGA-REAL MADRID-HUESCA

O mesmo jornal espanhol também publicou sobre os​ possíveis substitutos de Sérgio Ramos no Real Madrid. Ao todo, são quatro nomes fortes que o clube estaria observando. O principal deles é Van Djik, de 27 anos, titular absoluto do Liverpool, finalista da Liga dos Campeões desta temporada. O holandês poderia custar até 100 milhões de euros. Outros nomes na lista são Koulibaly, do Napoli, Giménez, do rival Atlético de Madrid, e o jovem De Ligt, do Ajax, que também está no radar do Barcelona para este meio do ano.


Sérgio Ramos chegou ao Real Madrid no verão de 2005, depois de se destacar atuando nas categorias de base do Sevilla. Há 14 anos no Santiago Bernabeu, ele já se tornou um dos principais nomes da história do clube e, apesar de ser odiado por muitos rivais, está no coração do torcedor merengue. Ao todo, são 606 jogos pelo Real, com 83 gols marcados. Entre os títulos conquistados estão quatro Liga dos Campeões, quatro Mundiais, quatro Campeonatos Espanhóis e duas Copas do Rey, entre outros. O zagueiro também tem no currículo conquistas pela Seleção Espanhola, como a Copa do Mundo, em 2010, e a Eurocopa, em 2008 e 2012.