No último domingo (5), ​Grêmio e Fluminense protagonizaram a partida mais movimentada e bem disputada do Campeonato Brasileiro, quando o Fluzão venceu a equipe gaúcha de virada, por 5 a 4. O duelo, no entanto, teria sido palco de um suposto racismo envolvendo uma parte da torcida ​gremista contra um jogador do time carioca. 


O caso começou após o lateral-direito Julião, do Fluminense, ter postado em suas redes sociais um trecho divulgado pelos bastidores da TV do Flu onde se ouve um “macaco” durante a comemoração do colombiano Yony González. Em sua rede social, o jogador do Tricolor carioca lamentou a atitude durante a comemoração do gol: 


“A ascensão de classe que o esporte nos proporciona incomoda muita gente. O Futebol não pode ser o lugar que racistas, xenofóbicos, misóginos e homofóbicos vomitarão seus absurdos e ficarão impunes. Medidas precisam ser tomadas URGENTE”, escreveu. 


Após a repercussão, o ​Grêmio, através de seu vice-jurídico, Nestor Hein, se pronunciou sobre o caso que ganhou repercussão nas redes sociais.


“É do nosso interesse tirar os racistas do contexto dos estádios, já falamos isso. Não quero me eximir da responsabilidade. Amanhã estarei na Arena para verificar as nossas câmeras internas e tentar fazer a localização. Se algum gremista identificou o fato, que possa nos procurar para relatar. Sem dúvida isso traz um prejuízo ao Grêmio. Para nós, é uma situação anômala e nojenta. Não me preocupa a punição, o prejuízo já é irreparável. Se algum torcedor gremista ouviu, entre em contato conosco”, disse o dirigente em entrevista à Rádio Gre-Nal.