​Uma quinta-feira de luto para o Coritiba. Dirceu Krüger, considerado o maior ídolo da história do clube, faleceu. Ele tinha 74 anos. Destes, dedicou 53 ao time do coração. Ele lutava contra complicações intestinais desde 1970, quando sofreu um choque com o goleiro adversário durante partida da equipe coxa branca.


De torcedor para torcedor: clique aqui e siga o 90min no Instagram!



Conhecido como Flecha Loira, defendeu o clube dentro das quatro linhas entre 1966 e 1975, tendo conquistado sete Estaduais. Também chegou a comandar o Coritiba como treinador em 185 partidas e, atualmente, fazia parte do corpo de funcionários da instituição.



“O Coritiba Foot Ball Club com muito pesar lamenta o falecimento de um dos seus maiores ídolos da história, Dirceu Krüger, que dedicou mais de 53 anos de sua vida ao Coxa”, escreveu o clube em seu Twitter. O rival ​Athletico-PR também se manifestou. “O Athletico Paranaense expressa profundo pesar pelo falecimento do ex-jogador Dirceu Krüger. Sua dedicação ao esporte dentro e fora dos gramados será sempre um exemplo.”



Abaixo, parte do relato do jornal Tribuna sobre o acidente de Krüger:


O episódio mais dramático da carreira de Dirceu Krüger aconteceu em 11 de abril de 1970, justamente no dia em que ele completava 25 anos. Era um sábado à tarde. O placar estava em branco e Krüger recebeu a bola de Werneck, dominou no peito e entrou na área. Ficou sozinho diante do goleiro Leopoldo, tocou a bola por cima, para encobri-lo e quando se afastou para ver se a bola estava entrando, chocou-se com o goleiro, que veio correndo em sua direção e acertou a barriga do jogador com o joelho.

A violência do choque foi tamanha que toda parte inferior da barriga subiu para a parte superior. Krüger tentou empurrar os órgãos internos para suas posições normais, mas desmaiou. Acordou depois no Hospital Cajuru e foi informado que suas alças intestinais haviam se rompido. O golpe foi tão violento que os médicos ainda estavam procurando a vesícula do jogador, que se rompeu. “Minha situação era crítica. Eu fiquei internado 70 dias. A maior parte com a barriga aberta, porque não podiam costurar enquanto a situação não se normalizasse. Para se ter uma ideia de meu estado, eu recebi duas extrema unção”, recorda.