Na última quarta-feira (20), uma longa entrevista do ex-presidente Alexandre Kalil ganhou enorme repercussão entre os torcedores atleticanos. Irreverente, despojado e polêmico, o ex-cartola não se esquivou de assuntos delicados, como a saúde financeira do Galo na época de sua gestão e a ​utilização do Mineirão pelo clube atualmente


Já segue a gente no Instagram? Clique aqui e venha para a Casa dos Torcedores!

​​Suas falas contundentes devem ter ressoado nos bastidores do Atlético e, ainda que não haja nenhuma evidência de que tal medida fora uma retaliação, um episódio protagonizado na última quinta-feira (21) pela atual diretoria atleticana soou como 'resposta' ao ex-presidente. Como destaca o ​UOL Esportes, o Galo contratou os serviços do grafiteiro Felipe Arco para um trabalho específico voltando à celebração dos 111 anos da história do clube.


Acontece que o artista citado tem um processo em seu histórico, movido justamente pela Prefeitura de Belo Horizonte, cargo ocupado por Alexandre Kalil desde o primeiro dia de 2017. À época, Felipe Arco foi enquadrado no artigo 65 da Lei 9.605/98, que trata como crime 'pichar, grafitar ou por outro meio conspurcar edificação ou monumento urbano'.

Formado em marketing, o artista urbano também faz música e já publicou diversos livros de poesia. Ele será uma das múltiplas atrações que participarão da celebração dos 111 anos do Atlético-MG, festa programada para o próximo domingo (24).