Duas vitórias, dois empates e três derrotas é o retrospecto do ​Corinthians neste início de temporada. Os números são ruins em qualquer recorte ou circunstância, mas são agravados por dois motivos específicos: o acúmulo de atuações pobres tecnicamente; e os resultados ruins empilhados mesmo diante de equipes muito mais frágeis, financeiramente e em talento, como Guarani, RB Brasil e Novorizontino, este no último domingo (10).


Já segue a gente no Instagram? Clique aqui e venha para a Casa dos Torcedores!

​​Como destaca o ​UOL Esportes, com um mês e uma semana de trabalho - considerando o início da pré-temporada -, era esperado que o Corinthians já apresentasse alguma evolução coletiva neste ponto da temporada. No entanto, o que se vê é uma equipe sem nenhum padrão tático, repetindo erros já detectados e involuindo tecnicamente a cada rodada.


Foram quatro propostas de jogo diferentes em sete jogos oficiais em 2019, situação que dificulta uma construção de nova identidade para a equipe. Além da pobreza criativa/desajuste do meio-campo, setor que comanda o ritmo de uma performance, preocupa demais a fragilidade defensiva alvinegra, especialmente pelo alto. Dos oito gols sofridos na temporada, seis nasceram de bolas aéreas (75%).

Há um longo caminho a ser percorrido por Carille, já pressionado, e seus comandados. No entanto, o tempo é inimigo do Corinthians. Já na próxima quinta-feira (14), o time paulista volta a campo em Itaquera, encarando sua primeira grande decisão de 2019: o Racing-ARG, pela primeira fase da Copa Sul-Americana. Atual líder do Campeonato Argentino, o adversário de Avelllaneda é apontado como uma das principais forças do continente atualmente.

​​