Foi uma tarde eletrizante! E quem está de parabéns é o futebol de várzea brasileiro! As semifinais da Taça Kaiser, no estádio Couto Pereira, foram recheadas de emoção. Ambos os duelos desta tarde foram decididos nos pênaltis. 





Primeiro, o Trieste, de Curitiba, derrotou a Bela Vista, de Santa Cruz do Sul-RS, por 3 a 1 depois de um empate sem gols no tempo normal. Já o Atlético Itoupava, de Blumenau-SC, fez 4 a 2 no Mineirinho, de Belo Horizonte, após 1 a 1 nos 90 minutos. E, claro, ambas as partidas tiveram figuras para lá de destacadas.



No confronto inicial, Andrei, da Bela Vista, evitou a derrota no tempo normal com belíssimas defesas e foi, sem dúvida alguma, um craque. “Tentei ao máximo fazer o que era possível. Vínhamos com o intuito de fazer um papel legal. Sabíamos que o time deles era melhor, mas tentamos. Saímos de cabeça erguida”, destacou o camisa 1 gaúcho. Se volta o ano que vem? Ele foi sucinto na resposta. “Se pintar o convite estamos aí.”



Nas cobranças de pênaltis, porém, foi outro goleiro quem se destacou. Juninho, do Trieste, teve papel fundamental na classificação ao defender duas cobranças. “Pênalti não é loteria. Fomos mais eficientes. Sempre é importante defender, mas agora temos é que focar na final. Aliás, mais uma final. Estarmos na decisão é resultado de muito trabalho, e muita dedicação. Não conseguimos fazer gol durante o tempo normal, mas fomos mais felizes depois”, resumiu.



No duelo que encerrou a jornada, ninguém foi melhor que César, camisa 10 e capitão do Itoupava. Ele fez o gol no tempo normal e ainda bateu com perfeição o seu tiro livre. “Jogar uma competição desse tamanho, com uma gurizada dessas, em um estádio como esse, é sem dúvida uma emoção diferente. Foi bacana, show de bola”, afirmou o experiente atleta, que não conseguia conter a alegria debaixo da chuva que caiu ao final da partida. Pois é nesse ritmo, de festa acima de tudo, que a Taça Kaiser viveu o seu primeiro grande dia. E neste domingo tem mais. Afinal, será conhecido o grande campeão.