Com saídas e chegadas, o ​Fluminense foi uma das equipes que mais movimentou a atual janela de transferências. Enquanto seis titulares deixaram as Laranjeiras, sete jogadores foram contratados para suprir as carências apontadas pela comissão técnica. No entanto, a posição de armador segue como principal preocupação, assim como foi em 2018.


Já segue a gente no Instagram? Clique aqui e venha para a Casa dos Torcedores!

Paulo Henrique Ganso

​​Apesar de todas os reforços contratados respeitarem o teto salarial baixo estabelecido pela diretoria tricolor (R$ 150 mil), o clube carioca dá indícios de que fará esforços por um camisa 10 de peso que agregue qualidade e experiência para a posição, bastante defasada desde a saída de Gustavo Scarpa.


Como destaca o ​Globoesporte, a cúpula tricolor trabalha com dois nomes no momento: Nenê, do São Paulo; e Paulo Henrique Ganso, do Sevilla. Ambos têm vencimentos muito superiores aos R$ 150 mil, mas devido à austeridade imposta nas demais contratações, o Fluminense acredita poder 'ceder a corda' ao menos para a chegada de seu novo 10.

Nene

Mesmo com esforços, é improvável que os cariocas consigam chegar ao valor salarial recebido/pretendido pelos citados, fazendo com que o clube das Laranjeiras dependa de uma composição junto à São Paulo ou Sevilla para ter ​Nenê ou ​GansoCaso consiga contratar o tão sonhado armador, o Fluminense deve fechar seu ciclo de negociações para o início do calendário. O clube estreia pelo Carioca no dia 19 de janeiro, diante do Volta Redonda.

​​