Em uma decisão que surpreendeu bastante gente, ​o São Paulo anunciou a demissão do treinador Diego Aguirre no último domingo (11). Um conjunto de fatores colaborou para que a decisão fosse tomada internamente, sendo a péssima atuação no Majestoso a 'gota d'água' para o panorama já praticamente insustentável ao redor do uruguaio. O ​Globoesporte destrinchou os agravantes, possíveis substitutos imediatos e o que aguarda o Tricolor Paulista na próxima temporada. Confira:


Já segue a gente no Instagram? Clique aqui e venha para a Casa dos Torcedores!

​​Motivos para a saída de Diego Aguirre com cinco rodadas para o final do Brasileirão:


1) Aparente perda de sintonia e cumplicidade entre grupo e comissão técnica;

2) Queda de rendimento e produtividade justamente nos períodos em que o Tricolor Paulista mais teve tempo para realizar treinamentos;

3) A campanha do returno: 40,5% de aproveitamento, índice de time que luta contra o Z-4;

4) Atuação contra o Corinthians, apontada como uma das piores do time no ano, culminando na perda da quarta posição para o Grêmio;

Corinthians v Sao Paulo - Brasileirao Series A 2018

Mas e agora? Quais são os planos no Morumbi?


Diante deste cenário, o departamento de futebol tricolor avaliou que manter Diego Aguirre até dezembro poderia causar consequências irrecuperáveis, já que a vaga à Libertadores de 2019 está realmente sob ameaça. Quem assume imediatamente o cargo de treinador é o auxiliar fixo André Jardine. O profissional, por sinal, é peça-chave para 'selarmos' o entendimento sobre a demissão repentina: seu nome é forte nos bastidores e cogitado, bem antes da queda de Aguirre, como treinador ideal para comandar o time em 2019.


Internamente, a queda de rendimento dos últimos meses já justificava uma não renovação com Aguirre ao final do vínculo atual. Desta forma, na perspectiva da diretoria tricolor, a saída do uruguaio foi antecipada para permitir uma transição imediata de Jardine.

Jardine é auxiliar fixo do clube

Mas por que André Jardine e não um nome mais pesado?


1) O auxiliar é extremamente vencedor nas categorias de base, com mais de 30 títulos conquistados;

2) É visto como 'profissional-modelo' nos bastidores do clube, por ser extremamente dedicado e estudioso; 

3) Está no clube desde 2015 e conhece bem o Morumbi, além de carregar consigo o potencial para um melhor aproveitamento da base tricolor;

4) Sua filosofia de trabalho, com times ofensivos e que gostam de ter a posse de bola, agrada a cúpula de futebol do clube;


Qual é o "plano B" se Jardine não for bem na reta final de 2018?

Fluminense v Chapecoense - Brasileirao Series A 2018

Um dos nomes elogiados nos bastidores do clube é Abel Braga. No entanto, a investida por um veterano só será feita caso André Jardine não consiga a vaga na Libertadores 2019 e acumule resultados ruins nestes cinco jogos finais de Brasileirão.