Listas

6 jogadores da Série A que ficam mais no departamento médico do que em campo

Nathália Almeida
Rodrigo Caio disputou apenas 14 jogos na temporada
Rodrigo Caio disputou apenas 14 jogos na temporada / Miguel Schincariol/Getty Images
facebooktwitterreddit

Sabemos que as lesões fazem parte do esporte de alto rendimento, e que mesmo com a evolução das tecnologias e dos estudos para prevenção da saúde do atleta, fatalidades acontecem, ainda mais quando falamos de futebol brasileiro e seu problemático, longo e extenuante calendário.

Nenhum jogador gosta de estar no departamento médico, e isso também é fato. Mas alguns casos recorrentes chamam atenção negativamente do torcedor, e é sobre eles que falaremos hoje.

Confira 6 jogadores da Série A que têm passado mais tempo machucados do que em campo:


1. Luciano (São Paulo)

luciano sao paulo
Atacante tricolor passa por um momento complicado / Alexandre Schneider/Getty Images

O que acontece com um dos melhores jogadores da temporada 2020? Depois de driblar a desconfiança e se estabelecer como um dos atletas mais importantes do elenco do São Paulo, Luciano não conseguiu mais gerar impacto positivo dentro das quatro linhas: seu corpo não vem deixando.

São múltiplas lesões musculares consecutivas neste primeiro semestre de temporada, impossibilitando uma sequência de atuações do camisa 11.

2. Renzo Saravia (Internacional)

Renzo Saravia
Saravia mal retornou e já voltou ao departamento médico / Alexandre Schneider/Getty Images

O torcedor do Internacional não discute que Renzo Saravia tem qualidade e, estando apto para jogar, tem status de titular absoluto. No entanto, esta segunda parte tem sido complicada de acontecer: após um longo tempo de inatividade em virtude de uma grave lesão no joelho sofrida em setembro do ano passado, o lateral retornou às atividades em abril, fez sua reestreia em maio e já está no departamento médico de novo.

O argentino sofreu lesão muscular na coxa direita e perderá de três a quatro semanas da temporada colorada.

3. Rodrigo Caio (Flamengo)

Rodrigo Caio
Rodrigo Caio voltou à velha versão das muitas lesões / Bruna Prado/Getty Images

Pilar do Flamengo que encantou o mundo do futebol em 2019, Rodrigo Caio deu a impressão de que tinha deixado para trás aquela pecha de "jogador de vidro" consolidada nos tempos de São Paulo, disputando 60 jogos de 74 possíveis na temporada.

No entanto, no último ano e veio, voltamos a testemunhar a 'versão ausente' do defensor: participou de menos de 50% dos jogos do Rubro-Negro em 2020 e, neste início de 2021, soma apenas 14 partidas. O torcedor do Mais Querido passa a ter mais dúvidas do que certezas quando ouve seu nome.

4. Maicon (Grêmio)

maicon gremio
Maicon tem convivido com lesões constantes nos últimos dois anos / DANIEL MARENCO/Getty Images

Maicon é um jogador inteligente, vitorioso e de enormes contribuições ao Grêmio, mas é fato que vive a curva de declínio de sua carreira profissional. Já não consegue mais entregar desempenho em partidas de alto nível de intensidade, o que implica em um planejamento especial da comissão técnica quanto ao seu aproveitamento e utilização.

De 2020 pra cá, sofreu algumas lesões musculares que reduziram bastante os seus minutos de jogo no Imortal. Contudo, ainda é uma referência moral no elenco e nos vestiários.

5. Keno (Atlético-MG)

Keno
Keno tem estado fora de combate em vários jogos / Pedro Vilela/Getty Images

Mais um jogador de enorme qualidade técnica que vem deixando seu time na mão em virtude das muitas contusões. Veloz e explosivo, Keno tem um estilo de jogo altamente "dependente" de sua condição física, e o que temos vistos nos últimos meses não é a imagem que a apaixonada torcida do Atlético-MG quer ver.

Para alívio da Massa, o elenco alvinegro têm opções de qualidade para compensar as ausências do ponta. Mas é fato que ele faz muita falta, e faria a qualquer elenco do país, pois é decisivo.

6. Jobson (Santos)

jobson santos vila belmiro
Jobson ainda não conseguiu embalar no Santos / Miguel Schincariol/Getty Images

Fechamos essa lista com um jogador do Santos que, nas últimas duas temporadas, somou algo em torno de 35 partidas disputadas, média muito baixa considerando o extenso calendário nacional. Neste momento, Jobson cumpre mais uma etapa da difícil recuperação após grave lesão no joelho (ruptura meniscal e ligamentar), sofrida em janeiro deste ano.

Contudo, antes mesmo desta fatalidade, o volante já vinha sofrido com alguns problemas físicos e lesões musculares de menor gravidade, de modo que raras foram as suas sequências como titular com a camisa do Peixe. Uma pena, pois tem qualidade para ajudar muito o Alvinegro.

facebooktwitterreddit