​A quarta-feira no Fluminense seria apenas de reapresentação, mas virou sinônimo de ​preocupação. Isso em função do não comparecimento de Gustavo Scarpa às Laranjeiras e, também, pelo fato e o jogador ter ficado incomunicável. A ausência não justificada gera um temor de que o atleta possa estar tentando, na Justiça, o seu desligamento do clube - no final de 2017, ele próprio já havia revelado o desejo de ir em busca de novos ares mesmo após ter acertado a renovação de contrato e recebido um aumento salarial.



Antes do retorno aos trabalhos, o Tricolor havia feito um acordo com o meio-campista, caso houvesse alguma proposta de transferência. Ficou acordada a possibilidade de o profissional não seguir viagem para a disputa da Florida Cup desde que iniciasse normalmente os trabalhos com o restante do elenco. Por isso, todos foram pegos de surpresa e, desde que ficou constatada a falta, o departamento jurídico passou a analisar o caso.



Scarpa é representado pela OTB Sports, a mesma que gerencia a carreira de Zeca e que conseguiu uma liminar para que o lateral se desvinculasse do Santos. Uma coisa é certa, segundo o ​Globoesporte.com: há débitos pendentes de férias e 13º referentes a 2016 e 2017, bem como um mês de CLT e quatro meses de direito de imagem. Isso, conforme a Lei Pelé, já dá direito à obtenção da rescisão contratual por vias judiciais, mesmo que o Flu tenha se comprometido a quitar as pendências até o final de janeiro. A empresa citada não se pronunciou, mas o jogador vinha se mostrando descontente com as cobranças da torcida e chegou a receber uma oferta do São Paulo. Palmeiras e Corinthians também fizeram sondagens.