Como já aconteceu em outras ocasiões durante a sua história recente, ​o Palmeiras optou por trabalhar com maior tranquilidade nos últimos dias, ao utilizar as instalações do Hotel Bourbon, em Atibaia.


jnjn

A ideia principal é isolar a equipe de modo a prepará-la principalmente para o confronto decisivo do dia 9 de agosto, contra o Barcelona, pelas oitavas de final da Copa Libertadores. Cuca pediu à direção do clube para deixar a capital uma semana antes do confronto no Allianz Parque, mesmo sabendo da ótima estrutura do recém reformado Centro de Excelência da Academia de Futebol. E a fórmula costuma dar certo. O presidente Mauricio Galiotte apoiou o treinador: 


"A ida para Atibaia foi uma solicitação da comissão técnica, que tem o objetivo de fazer um trabalho focado, de integração, além de aumentar ainda mais o nível de concentração do grupo", declarou o presidente.



No início de sua trajetória no comando do Verdão, o técnico acumulou quatro derrotas em sequência, deflagrando uma crise ainda maior. Optou, então, por levar o plantel para trabalhar sob a serenidade do hotel. Engatou boas vitórias, inclusive sobre o Corinthians. Mas não foi só isso. Cuca também aproveitou o período livre até a estreia no Brasileiro e levou a equipe para um novo período em Atibaia. Na semana que antecedeu o jogo contra o Atlético-PR, o time treinou em Atibaia de segunda a quinta (venceu um jogo-treino contra o Guarani por 6 a 2). O trabalho de sexta foi no Allianz Parque, palco do jogo de sábado, que terminou com goleada por 4 a 0 e foi o primeiro passo para o título.

Palmeiras v Internacional - Brasileirao Series A 2016


Por fim, já na reta decisiva do Brasileirão de 2016, após empatar com o Atlético-MG em Belo Horizonte, em uma quinta-feira, o elenco do Palmeiras trabalhou e se concentrou no Bourbon na sexta e no sábado. No domingo, bateu o Botafogo por 1 a 0, no Allianz Parque, e encaminhou a nona taça em sua história.