Atlético-MG x Grêmio, primeiro jogo da final da Copa do Brasil do ano passado. Quem se lembra do gol que abriu o placar em favor do Tricolor no Mineirão? Um passe em profundidade do capitão Maicon para Pedro Rocha infiltrar entre os zagueiros, se livrar do defensor e balançar a rede. É apenas um lance, mas que resume a importância do camisa 8 azul.



O jogador tem o que outros meio-campistas da equipe não possuem: a qualidade para abrir as linhas de marcação através de uma assistência. Enquanto Michel, Arthur e Ramiro sabem trabalhar a bola como poucos, Maicon agrega a chamada verticalidade. Em 2017, mesmo com participação em menos de 40% dos jogos em função de lesões, ele mostra a cada vez que entra a sua importância.



No momento, talvez nem seja titular. Mas se o técnico Renato Portaluppi precisar, tem tudo para ser uma arma importante, por exemplo, no duelo desta segunda-feira (20h), contra o São Paulo, no Morumbi. Homem de confiança ele é. Agora, também pode se tornar uma peça importante para mudar uma partida ou para colocar toda a sua habilidade a serviço do time na tentativa de segurar um resultado.


São Paulo: Renan Ribeiro; Bruno, Arboleda, Rodrigo Caio e Edimar; Petros e Jucilei; Gómez, Lucas Fernandes (Marcinho) e Cueva; Pratto. Técnico: Dorival Júnior.

Grêmio: Marcelo Grohe; Edílson, Pedro Geromel, Kannemann e Bruno Cortez; Michel, Ramiro, Arthur e Luan; Pedro Rocha e Everton (Fernandinho). Técnico: Renato Portaluppi.


​​