Grêmio

5 goleiros que o torcedor do Grêmio idolatra e outros 5 que a torcida quer esquecer

Fabio Utz
Marcelo Grohe não virou ídolo tricolor por acaso
Marcelo Grohe não virou ídolo tricolor por acaso / Francois Nel/GettyImages
facebooktwitterreddit

Com goleiro não tem 'ficar no meio do caminho'. Ou ele se torna ídolo por conta de uma trajetória brilhante, com conquistas e defesas milagrosas, ou ele não pode passar perto mais de um clube.

O Grêmio, ao longo de sua história, contou com goleiros para lá de brilhantes, muitos deles oriundos das categorias de base. Mas há outros que ficaram marcados em função de participações que nenhum tricolor gosta de lembrar.

Este artigo faz parte de uma série especial do 90min e aponta 5 goleiros que o torcedor do Grêmio idolatra e 5 que ele quer mais é esquecer. Não são necessariamente os melhores ou piores, vale destacar. Combinado?

5 goleiros que a torcida do Grêmio idolatra

1. Danrlei

Grêmio História Goleiro Danrlei
Danrlei está marcado na história azul / MAURICIO LIMA/GettyImages

Danrlei era o camisa 1 de uma era histórica do Grêmio. Bateu na trave no Mundial de Clubes, mas conquistou todo o resto - Gauchão, Copa do Brasil, Campeonato Brasileiro, Libertadores, Recopa. Enfim, foi ganhador e, ao mesmo tempo, brilhante sob as traves. Não há como lembrar do vitorioso Tricolor da década de 1990 sem falar no goleiro que, para muitos, é o maior de todos os tempos do clube.

2. Mazaropi

É outro que está no rol dos intocáveis do Grêmio. Foi nada menos que o goleiro campeão da América e do mundo em 1983. Ele chegou em meio à Libertadores para trilhar uma caminhada do mais absoluto sucesso. Mais tarde, ainda faria parte do chamado 'Grêmio Show' da segunda metade da década de 1980 e conquistaria uma Copa do Brasil - a primeira da história.

3. Marcelo Grohe

Marcelo Grohe Goleiro Grêmio História
Grohe foi campeão da América em 2017 / Matthew Ashton - AMA/GettyImages

Ele demorou para se afirmar e, por pouco, não deixou o Grêmio pela porta dos fundos. Agora, quando começou a brilhar, não parou mais. Campeão da Copa do Brasil de 2016, da Libertadores de 2017 e da Recopa de 2018 - sempre sendo protagonista -, ganhou um espaço especial no coração do torcedor tricolor.

4. Emerson Leão

Era com Leão que iniciava a escalação do primeiro título do Grêmio fora das fronteiras do Rio Grande do Sul. O Campeonato Brasileiro de 1981 colocou o clube gaúcho em um novo patamar dentro do cenário nacional. E isso jamais será esquecido.

5. Galatto

Colocar Galatto entre os melhores goleiros da história do Grêmio é algo que dificilmente irá acontecer. Agora, é humanamente impossível tirá-lo do rol dos inesquecíveis. Tudo por conta de uma defesa de pênalti que mudou o rumo da história. O Tricolor estava por continuar na segunda divisão quando ele inventou de evitar que o Náutico abrisse o placar na famosa Batalha dos Aflitos de 2005. O resto todo mundo já sabe...

5 goleiros que a torcida do Grêmio quer esquecer

6. Tavarelli

É, simplesmente, o símbolo do rebaixamento gremista em 2004. Contratado com status de estrela, acumulou falhas e mais falhas que culminaram na queda azul para a segunda divisão. O apelido 'Frangarelli' não foi dado por acaso.

7. Márcio

Enquanto tentava sobreviver na Série A em 2004, o Grêmio contratou outro goleiro: Márcio, que depois virou 'Márcio Borboleta'. Sua forma um tanto quanto exótica e acrobática de tentar defender uma bola, além das saídas inusitadas do gol, lhe renderam a alcunha.

8. Eduardo Heuser

Se não fosse um maldito frango tomado por Eduardo Heuser na final da Copa do Brasil de 1993, contra o Cruzeiro, no Mineirão, talvez hoje o Grêmio fosse hexa. E goleiro que falha assim a torcida não perdoa.

9. Eduardo

Poucas pessoas se lembram, mas Eduardo era o goleiro titular do Grêmio no início da disputa da Série B de 2005. Inseguro, viu o mundo cair sobre a sua cabeça, tanto que a rescisão de contrato foi o caminho natural. Nem sua dita experiência foi suficiente para aguentar o rojão.

10. Paulo Victor

Paulo Victor Goleiro Grêmio História
Goleiro não deu conta do recado quando alçado a titular / Pedro Vilela/GettyImages

Tem como querer esquecer um goleiro que fazia parte do elenco campeão de uma Libertadores? Claro que tem, e Paulo Victor é um claro exemplo disso. Bastou ele assumir a titularidade, com a venda de Marcelo Grohe, para passar a mostrar suas fragilidades. Falhou de forma decisiva (e bisonha) em jogos importantes de Libertadores, Copa do Brasil e Brasileirão. E em vários anos seguidos.

facebooktwitterreddit