Flamengo

3 pontos que Renato precisa melhorar no Flamengo para a final da Libertadores

Antonio Mota
Renato Gaúcho ainda não deixou o Flamengo pronto para a final da Libertadores. Agora é correr contra o tempo...
Renato Gaúcho ainda não deixou o Flamengo pronto para a final da Libertadores. Agora é correr contra o tempo... / DANTE FERNANDEZ/GettyImages
facebooktwitterreddit

O Flamengo disputou o seu último compromisso antes da final da Conmebol Libertadores na noite da última terça-feira, 23, contra o Grêmio, na Arena, em Porto Alegre, por partida atrasada do Campeonato Brasileiro. Com o frustrante 2 a 2 no Sul, o Rubro-Negro perdeu uma boa chance de encurtar a distância para o líder Atlético-MG e ainda captou um clima ruim antes da decisão pela Glória Eterna.

Neste cenário, já com o Brasileirão escanteado, o Fla vai ter que dar uma resposta na decisão da Libertadores. A seguir, veja 3 pontos que Renato Gaúcho precisa melhorar no Flamengo para a partida contra o Palmeiras, no Estádio Centenário, no Uruguai, no dia 27. Confira:

1. Sistema defensivo – cuidado com a velocidade dos alas do Palmeiras

David Luiz Flamengo Libertadores
David Luiz deu boa solidez ao sistema defensivo do Flamengo / Franklin Jacome/GettyImages

Embora esteja invicto há nove partidas, o Flamengo ainda não resolveu muitos dos problemas defensivos que tem. David Luiz até deu mais segurança à zaga, mas ainda existem muitos buracos no bloco de proteção do clube.

Além disso, Filipe Luís e Mauricio Isla (caso esteja apto na final) precisarão ter atenção redobrada com os velozes e bem articulados meias e atacantes do Palmeiras.

Vale destacar, por exemplo, que o Fla foi vazado em cinco das últimas dez partidas. Foram 10 gols sofridos. A bola aérea segue sendo uma dor de cabeça, e Renato precisa cuidar disso.

2. Criação no meio de campo – Arrascaeta vai a campo com quantos %?

Giorgian De Arrascaeta Flamengo Libertadores
O Flamengo depende muito de Arrascaeta / Wagner Meier/GettyImages

O Flamengo mostrou muito problema na criação na maioria das partidas em que não contou com Arrascaeta, sobretudo nos jogos em que se deparou com equipes bem postadas. Renato, com ou sem Arrasca, que ainda está sem ritmo de jogo, precisa resolver isso e aumentar o repertório da equipe, que, em diversos momentos, se limitou a cruzamentos.

Os demais jogadores, como Éverton Ribeiro, Bruno Henrique e Gabigol, também precisam crescer de produção.

Renato também precisa ajustar a transição entre a defesa e o ataque, montando uma equipe que construa com segurança e eficiência.

3. Letalidade do ataque – Fla não pode perder tantos gols

Gabriel Barbosa Flamengo
Gabigol e companhia precisam aproveitar melhor as oportunidades / Alexandre Schneider/GettyImages

O Flamengo marcou 18 gols nas últimas 10 partidas (média de 1,8 p/ jogo), mas, ainda assim, perdeu chances muito claras. Contra o Internacional, por exemplo, o clube de Renato Gaúcho poderia ter feito três, quatro gols, mas errou demais e acabou se complicando e sofrendo o que não precisava.

Na final, em uma partida tão decisiva, Gabigol, Bruno Henrique e cia precisarão ser mais letais. É treinar e ajustar o pé e cabeça para a decisão.

facebooktwitterreddit