​Aos 29 anos e com uma passagem pouco marcante pelo Velho Continente, Bruno Henrique dificilmente voltará ao radar de grandes mercados europeus, já que estes estão cada vez mais focados nas novíssimas gerações de jogadores brasileiros/sul-americanos (vide Paquetá, Vinicius Júnior e ​Reinier). Contudo, é fato que o camisa 27 do Flamengo seria uma atração em mercados 'secundários' como China, Mundo Árabe e semelhantes, o que leva a diretoria do clube carioca a se antecipar para não correr riscos de perdê-lo.

Apesar de ainda ter dois anos de contrato por cumprir na Gávea (dezembro/21), o atacante já tem em mãos uma proposta irrecusável para seguir no clube. Dirigentes rubro-negros não mediram esforços e ofereceram 'mundos e fundos' para Bruno Henrique: uma considerável valorização salarial, reajuste na multa rescisória e extensão por mais dois anos


Todo esse 'protecionismo' pode parecer exagerado mas, na verdade, faz sentido: o camisa 27 foi o jogador mais valioso do Flamengo em 2019, o mais decisivo nas campanhas de título do Brasileirão e da ​Libertadores, além de melhor da equipe no Mundial de Clubes. Os 29 anos de idade podem até ser 'fim da linha' para o sonho europeu, mas o fato é que Bruno Henrique é capaz de sobrar no futebol brasileiro ainda por muitos anos, o que justifica a renovação longa: terá 33 anos ao final do vínculo, o que está longe de ser um absurdo na elite nacional.

Bruno Henrique

Com o clube vivendo um momento de grande prosperidade financeira - e com brecha para crescer ainda mais em arrecadação e poderio de mercado -, recompensar aquele que fez a diferença para o ano vitorioso do clube não é nenhuma vaidade ou exagero. Os 35 gols e 20 assistências na temporada justificam os meios.