​No inicio deste mês, o​ Grêmio anunciou a contratação de Lucas Silva, ex-Cruzeiro. O jogador de 26 anos foi o segundo reforço do Tricolor Gaúcho para a temporada de 2020. O novo camisa 16, que foi revelado nas categorias de base da Raposa, acumulou passagens pelo Real Madrid e Olympique de Marselha e assinou contrato até 2024 no CT Luiz Carvalho.



Na manhã deste sábado (11), acompanhado da família, Lucas foi apresentado oficialmente ao clube. Durante a coletiva, ele revelou as razões por ter escolhido o clube após seis meses sem atuar - teve seu contrato expirado no Real Madrid em junho. "Duas ligações me chamaram a atenção: o Alisson, com quem atuei no Cruzeiro, e o Klaus, executivo de futebol, que trabalhei na base e no profissional do Cruzeiro. Me disseram como era o clube, organizado, estruturado, e isso chama atenção. O Renato também, na parte técnica, é um grande treinador e há bastante tempo quero trabalhar com ele. E o estilo do Grêmio que se encaixa com meu perfil", disse o atleta. 


Foto: Lucas Uebel/Grêmio


Lucas, que atuou pela última vez em junho de 2019 e manteve a rotina de treinos físicos para não perder a forma, ainda revelou o desejo de conquistar a Libertadores. "Na minha vida, tudo aconteceu muito rápido. Com 20 anos ganhei meu primeiro Brasileiro, bi da Copa do Brasil. Falta uma Libertadores. Agora aqui no Grêmio, obcecado pela Libertadores, quero colocar ela no meu currículo também", ressaltou.


Com relação à qualidade técnica, o volante destacou a possibilidade de marcar firme e auxiliar na construção das jogadas. "A primeira característica que o volante tem que ter é a marcação. Depois, o bom passe, a parte técnica. Isso, no inicio da carreira foi primordial. Aprender a marcar, depois jogar. Se for necessário fazer uma falta, para a jogada, também é do meu perfil. Claro que agrega mais a parte técnica e tática, que hoje se exige muito de um volante moderno. O Renato gosta de colocar o time adversário na roda", analisou Lucas Silva.

 


Além disso, o jogador foi questionado sobre sua passagem pelo Real Madrid, clube pelo qual rescindiu contrato, e relatou os altos e baixos da profissão. "Não só no futebol, como em várias outras profissões, se vive altos e baixos. Aí de fato quando se tem uma queda ou um rendimento não esperado que a gente se prova competente. O momento na Europa talvez não foi o que eu esperava, mas meu retorno ao Cruzeiro demonstrou meu mais alto nível, conquistando duas Copas do Brasil", finalizou.